Eng. Joaquim Domingos Capela

the luthier of my violin

Eng. Domingos Capela
Eng. Domingos Capela
Table of Contents

Em determinado dia pedi ao Eng. Joaquim Domingos Capela que escrevesse um pequeno texto sobre o meu violino, e para meu espanto eis o resultado…
Obrigado Eng. Joaquim Domingos Capela

Breve História dos Guarnerius

A cidade de Cremona, Itália, foi nos séculos XVI, XVII, e XVIII berço de notáveis famílias famílias de violeiros, entre outras Amati, Guarnerius, Stradivarius e Ruggeris, as quais projectaram esta cidade em toda a Europa como o primeiro e maior centro da construção de violinos.

Pela circunstância e espaço disponível narrar-se-à aqui uma breve história da família Guarnerius e alguns factos envolventes. 😃

Andrea (1626-1698), o primeiro violeiro da família, faz a sua aprendizagem na oficina de Nicolau Amati, como confirma a descrição duma das suas etiquetas: “Andrea Guarnerius alumnus Nicolau Amati fecit Cremonae sub titulo Sanctae Terefiae 16..”.

São dois dos seus filhos continuadores da arte da violaria.

Pedro (1655-1720) além de discípulo do pai, faz formação musical na área do violino e da viola. Nos anos oitenta deixa Cremona para vir fixar-se na cidade de Mantua. Além de colaborar como instrumentista na orquestra da cidade, continua a feitura de violinos, reconhecidos como os mais requintados da família. Vem a ficar na história dos violeiros como “Pietro de Mantua”.

O outro filho, Joseph (1666-1739), faz a sua formação na Casa Guarnerius, a qual vem a liderar após a morte do pai.

Dois dos seus seis filhos dão continuidade à tradição.

O segundo Pedro (1695-1761) por volta de 1724 deixa Cremona a caminho de Veneza, onde o ambiente musical era de grande prestígio, rivalizando com outros centros como a Roma e Florença. O seu trabalho tem algumas originalidades distintas dos seus antecessores e a influência da escola Veneziana. É curioso que este violeiro veio a ficar ligado a cidade com o nome de “ Pietro de Veneza” como aconteceu ao seu tio.

O Joseph (1698-1744) permanece na casa Guarnerius onde é aprendiz e assistente do pai, até cerca de 1722, altura em que cria a sua própria oficina na cidade de Cremona, iniciando assim uma obra marcada por criatividade e mudança, relativamente à escola familiar. O contorno, o arqueamento e espessura dos tampos, a forma e dimensões dos éfes e a escultura muito variável das cabeças são características ímpares dos seus violinos, além das qualidades acústicas. O refinamento do trabalho não atingiu níveis de outros familiares.

Não é por acaso que um violinista amador francês, e banqueiro, ofereceu a Nicolau Paganini (1782-1840) um violino construído por Joseph Guarnerius(II) em 1743, o qual foi durante a sua vida o preferido instrumento e que veio a baptizar-lo de “Cannon” por possuir uma grande potência sonora.

Paganini doa este violino a sua terra Natal, Génova, hoje conservado e exposto num lindíssimo armário da Sala de concelho da Câmara Municipal, Palácio Tursi, como tive a oportunidade de visualizar em 1999.

Embora as etiquetas não confirmem quaisquer qualidades aos instrumentos, é interessante anotar aqui algumas curiosidades.

Como foi referido atrás , Andrea imprimiu na sua etiqueta: “ sub titulo Sanctae Terefie”, tudo leva a crer que esta referência a Santa Teresa o violeiro queria exteriorizar uma certa devoção religiosa.

Também os filhos imprimem nas suas próprias etiquetas o nome se Santa Teresa, além de acrescentarem a ligação familiar: “filius Andrea”.

Já o neto Joseph deixa de lado estas referências e imprime uma cruz e o monograma JHS –Jesus Hominum Salvator – símbolo religioso consagrado no Império Cristão.

É crível Joseph ter imprimido este monograma por imaginar Jesus estar a seu lado quando construía os seus violinos. Todavia outra hipótese foi colocada, a de Joseph ter recebido educação numa escola da Companhia de Jesus, Ordem Jesuíta que usava como símbolo JHS. Independentemente das certezas ou dúvidas sobre estas referências, o facto é que este talentoso violeiro veio a ser consagrado na História como “Guarnerius del Gesu” ou simplesmente “del Gesu”.

Em 1994 vinte e cinco violinos de “del Gesu” são expostos no Metropolitane Museum de Nova Iorque, entre os quais se encontrava o célebre “Cannon”.

No âmbito desta exposição, que decorre 250 anos após a sua morte, foram publicados dois riquíssimos livros sob o título “Giuseppe Guarneri del Gesu”. O primeiro volume contém diversas e maravilhosas fotografias destes violinos em tamanho natural, além da breve história de cada um deles. No segundo volume é narrada a vida deste violeiro. Tem ainda conteúdos interessantíssimos como medidas e espessuras dos tampos, pormenores dos éfes e das cabeças, desenhos de contornos e arqueamento dos tampos. Em anexo contém ainda uma “List of Subscribers” de vários países. De Portugal apenas é referido o meu nome, Joaquim Capela, mas deveria estar Joaquim Domingos Capela, a fim de evitar eventuais confusões.

Com estes violinos foram gravadas obras de célebres compositores pelo grande violinista Elmar Oliveira, o primeiro americano a vencer a medalha de ouro (1º Prémio) no Concurso Internacional Tchaikovsky no ano de 1978, em Moscovo. Nasceu a 28 de Junho de 1950 em Waterbury, Connecticut, filho de um casal de emigrantes portugueses naturais da Murtosa, Aveiro.

A Construção do Violino

No ano 2000 construí o meu violino nº 9 que procura ser uma cópia do “Cannon”. Para o efeito foram usados elementos fotográficos e geométricos contidos nos dois volumes referidos.

O tampo harmónico, em pinho dos Alpes e formado de duas partes, apresenta anéis de crescimento (veio ou fibra) estreitos no centro, alargando-se para o lado exterior. Os éfes, longilíneos e pontiagudos, recortados com bastante rigor, retratam uma das características mais emblemáticas dos violinos de “del Gesu”. A barra harmónica, posicionada segundo a regra de um sétimo, tem a altura de 12,5mm e a espessura de 5mm.

O fundo é de ácer com o ondulado disposto simétricamente próximo do original, mas no sentido descendente. O tampo e o fundo têm contornos e arqueamentos do original, mas as espessuras desviam-se parcialmente porque se procurou uma afinação com o intervalo de meio-tom entre eles, atingindo-se respectivamente ré# e mi. Os pesos ficaram com 70 e 102 gramas.

As ilhargas, enformadas em molde exterior, são de ácer ondulado disposto simetricamente. Estas estão ligadas por blocos e sanefas em pinho dos Alpes e no conjunto o peso é de 54 gramas.

As cabeças dos violinos de “del Gesu” são de uma geometria muito variável e apresentam um acabamento pouco cuidado. A do “Cannon” tem um aspecto densamente massivo e contrasta com outras frontalmente adelgaçadas. Não será exagerado lembrar aqui um velho ditado: ”cada cabeça , cada sentença”. Por analogia poder-se-ia dizer: “cada violino, cada cabeça”.

O verniz, aplicado à trincha, foi formulado na base de álcool e de resinas, tais como sandaraca, mastique em lágrimas, goma laca sem cera, goma elemi, essência de terbentina, essência de lavanda, óleo castor, etc.. A côr, levemente castanha, foi obtida pela adição de corantes como extracto de ratânia, goma guta, santal e aloés.

A montagem do cavalete, alma, cravelhas, cordas e estandarte baseou-se nas regras padronizadas para o violino moderno, não deixando contudo de haver correcções ao gosto do próprio violeiro.

Os parâmetros acústicos violino, nomeadamente potência, projecção, igualdade entre cordas, características tímbricas e “playability” dominam o som procurado pelos instrumentistas. E é este actor o verdadeiro juiz. No caso presente o juiz do meu violino será o violinista Gaspar Fonseca dos Santos, para quem foi construído.

Joaquim Domingos Capela
Dezembro 2007
São Fêlix da Marinha
V. N. de Gaia
Portugal